Na última segunda-feira (09), Nego do Borel lançou seu novo videoclipe para a música “Me Solta” através do canal KondZilla, o maior canal do Brasil em número de inscritos.

A música, que já vem bombando nas baladas e bailes funk nos últimos tempos, é bastante energética. E o vídeo acompanha essa pegada num ritmo rápido e contagiante.

O vídeo mostra o funkeiro cantando e dançando seu som no Morro do Borel, local onde foi criado e que serviu de inspiração para seu nome artístico.

Mas a polêmica vem de um determinado momento do videoclipe onde Nego do Borel beija um homem, o modelo Jonathan Dobal, assistente de palco do ‘Ferdinando Show’, programa do Multishow.

View this post on Instagram

SAIUUUUUU MEU CLIPEEEE NOVOOOOOOO, corre pro YouTube pra assistir galeraaaaaa, Me solta porra..

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE E ARTIGOS SUGERIDOS.

A post shared by Nego do Borel 🎼🎤 (@negodoborel) on

O modelo disse que o beijo foi técnico e espontâneo, pensado de improviso poucos minutos antes enquanto Jonathan e Nego conversavam.

E como esperado, a Internet reagiu ao momento em específico de diferentes formas e proporções, gerando elogios e críticas por diferentes motivos.

O que a Internet está dizendo?

Os elogios foram aos montes e de grande maioria, parabenizando o artista pelo beijo gay e pela representatividade LGBTQ+. Junho (mês passado) é conhecido mundialmente como Mês do Orgulho e a cena do videoclipe vem em um momento de mudança da mentalidade coletiva da sociedade, com cada vez mais abertura de demonstrações homoafetivas públicas, assim como já acontece – pelo menos com maior aceitação – em relações heteronormativas.

Já as críticas ao videoclipe se deram por motivos que chamaram a atenção pelo contraste e oposição das ideologias dos grupos envolvidos.

Como não poderia ser diferente, os mais conservadores e menos progressistas dos direitos igualitários de gênero criticaram o momento pelo simples fato de apresentar duas pessoas do mesmo sexo se beijando, alegando que crianças e adolescentes acessam o YouTube e não ficaram felizes com a exposição de menores a tal cena. Lembrando que o YouTube não censura conteúdo como esse na plataforma – nem mesmo com o Modo Restrito ativo – e, pelo contrário, se demonstra bastante progressista quanto ao assunto.

Para algumas pessoas na comunidade LGBTQ+, Nego do Borel interpreta uma personagem “afeminada e estereotipada” no videoclipe, o que fez os mesmos não gostarem do vídeo e dizerem que o artista “forçou a barra”. O fato do cantor criar para o vídeo uma personagem com tais traços de visual e personalidade, geraram discussões sobre se houve ou não um certo preconceito enraizado tentando gerar humor através de uma possível ridicularização, na opinião de alguns.

E em um outro grupo de críticos, Nego do Borel foi acusado de ter feito a cena do videoclipe com o único objetivo de provocar a maior reação possível numa “jogada de marketing estratégica”, apenas para gerar a divulgação na mídia e tentando apelar para a aceitação da comunidade lésbica, gay, bissexual, transexual, queer e demais. Nesse caso, os críticos que têm esse ponto de vista também alegam que usar as lutas e causas LGBTQ+ por alguém de fora para autopromoção foi um “golpe baixo”.

Nego do Borel. Foto: Reprodução/Instagram
Nego do Borel. Foto: Reprodução/Instagram

Ou seja, de um modo que nunca vimos nos últimos tempos, podemos dizer que Borel parece ter conseguido unir, pelas críticas, conservadores e liberais em relação a representatividade de personagens LGBTQ+ na TV, cinema e Internet, por motivos diferentes. E se o diálogo é a melhor forma de chegarmos em um acordo ou educar sobre temas tabus, podemos dar esse mérito ao artista que usou sua influência para fomentar a discussão.

Repercussão no Twitter

O termo Borel ficou no topo dos trending topics no Twitter – competindo com o termo Lula, como noticiamos aqui – com muitos usuários se utilizando dos argumentos mencionados acima para criticar Nego, ou pelo simples fato de ser um beijo homoafetivo, ou pela forma como a representatividade foi feita, ou ainda acusando o funkeiro de aproveitar o tema para se autopromover; enquanto outros defendem o artista e acrescentam que algumas pessoas estão levando o assunto muito a sério, culpando o politicamente correto e a problematização exagerada por algumas das críticas.

Repercussão no YouTube

De modo geral, o vídeo continua bombando no YouTube em primeiro lugar no Em Alta e com mais de 80% de aprovação do público entre likes e deslikes, com ressalva aos comentários que demonstram certa desaprovação.

E você, é conservador em relação a cena de beijo? Achou a representatividade válida ou mal interpretada? Estão problematizando demais? Ou foi tudo jogada de marketing? Comente abaixo e compartilhe esse artigo para ajudar a formar mais opiniões.