O segundo turno das eleições de 2018 ocorre neste domingo (28). Considerando este fato, alguns influenciadores usaram as redes sociais para declarar os seus votos, seja em Fernando Haddad (PT), em Jair Bolsonaro (PSL) ou nulo. Os criadores de conteúdo – geralmente – evitam falar sobre sua opinião política para não causar polêmica, mas há exceções.

Fernando Haddad ou Jair Bolsonaro?

Segundo maior youtuber do Brasil, Felipe Neto afirmou que odeia o PT “com todas as suas forças”, mas que irá votar em Fernando Haddad “em defesa da democracia”. O pronunciamento do influenciador gerou repercussão porque, em entrevista ao canal de Rica Perrone em 2017, ele havia declarado que prefere Bolsonaro a Lula.

Em contrapartida, Rica Perrone se pronunciou por meio de um texto publicado em seu blog. O criador de conteúdo disse que votará em Jair Bolsonaro, ressaltando que o voto no PT é “premiar a corrupção; é um equívoco”, enquanto votar no candidato do PSL “pode ser um erro”. No Twitter, o influenciador afirmou que “votar no PT não é um voto contra Bolsonaro”, mas sim “um perdão que ninguém pode dar em nome de todos nós”.

Felipe Castanhari também se manifestou em favor de Fernando Haddad. O apresentador do Canal Nostalgia disse ser oposição ao PT e que “torceu muito para que este partido não fosse sua única opção”. Ainda afirmou que Jair Bolsonaro “não está preparado para assumir o cargo de nosso chefe do executivo”.

Kleber Tanide, proprietário do canal CarneMoídaTV, publicou um tweet irônico afirmando que declara o voto em Haddad “pois está precisando muito da Lei Rouanet”.

Nesta véspera de eleição, não houve uma explícita declaração de voto por parte do comediante Danilo Gentili, mas publicações nas redes sociais revelam sua firme oposição à esquerda e ao PT. O humorista e influenciador ainda afirmou que, não importando quem esteja no governo, “sempre estará onde esteve, defendendo a liberdade de expressão e atacando o autoritarismo”. Gentili também questionou a “manifestação anti-censura” durante os anos que “recebeu moções de censura, processos criminais, pedidos governamentais de demissão e ataques”, em clara referência aos governos petistas.

Com quase 10 milhões de seguidores no Twitter, o apresentador Marcelo Tas criticou o Partido dos Trabalhadores, acusando-o de ser “arrogante” e não ter sido “capaz de se reinventar”, mas declarou o voto em Fernando Haddad.

Monark sinalizou voto em Jair Bolsonaro, assumiu a possibilidade de votar nulo, mas se opôs ao PT. Para o influenciador, “o medo da remota possibilidade [de ditadura]” não irá fazê-lo acreditar que um partido “tão corrompido, fisiológico e prepotente deva ser a solução para um país já em crise aguada, causada em parte por eles”.

Neste sábado (27), Cauê Moura retuitou publicações de apoio ao candidato Fernando Haddad, como as manifestações do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e do apresentador Marcelo Tas.

Voto nulo ou abstenção

Em virtude da polarização nesta disputa eleitoral, alguns influenciadores indicaram que irão justificar ou anular o voto, como é o caso de André Pilli e Luan Kovarik (Jon Vlogs).

 

Redação Influverse