A youtuber mirim Júlia Silva fez uma campanha relacionada à franquia Monster High. (Foto: divulgação)

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) quer que o YouTube remova videos infantis que apresentem propaganda disfarçadas, alguns youtubers que postam este tipo de conteúdo não deixam claro quando estão fazendo uma propaganda de bonecas e produtos infantis.

Esta ação começou depois de ter chegado uma denúncia ao Instituto Alana para defesa da infância, a youtuber Júlia Silva fez uma campanha da “Monster High”, da Mattel, em cerca de 12 vídeos no ano de 2016.

A youtuber mirim Júlia Silva fez uma campanha relacionada à franquia Monster High. (Foto: divulgação)

Foi referido nesses vídeos que os vencedores dos passatempos iriam ganhar bonecas da Monster High e um encontro com a youtuber, no entanto a influenciadora não deixou claro que era uma campanha publicitária.

Este caso motivou a abertura de um inquérito civil para investigar estas práticas e a promotoria perde que outros vídeos de outros influenciadores também sejam retirados do ar.

Empresas que fazem estas práticas no YouTube também foram notificadas.

O ministério ainda quer que a Google proíba a monetização deste conteúdo, na ação é possível ler  que “diversas crianças e adolescentes expostas a estratégias abusivas de venda ao não adequar suas políticas de uso”.

O promotor Eduardo Dias solicitou ainda à justiça para que a Google retire os videos do YouTube. As empresas que enviam produtos infantis para os influenciadores também foram notificadas sobre este tipo de práticas.

LEIA TAMBÉM   Felipe Neto apresenta nova mansão “NetoLab” e lança conteúdo pago no canal