A youtuber mirim Júlia Silva fez uma campanha relacionada à franquia Monster High. (Foto: divulgação)

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) quer que o YouTube remova videos infantis que apresentem propaganda disfarçadas, alguns youtubers que postam este tipo de conteúdo não deixam claro quando estão fazendo uma propaganda de bonecas e produtos infantis.

Esta ação começou depois de ter chegado uma denúncia ao Instituto Alana para defesa da infância, a youtuber Júlia Silva fez uma campanha da “Monster High”, da Mattel, em cerca de 12 vídeos no ano de 2016.

A youtuber mirim Júlia Silva fez uma campanha relacionada à franquia Monster High. (Foto: divulgação)

Foi referido nesses vídeos que os vencedores dos passatempos iriam ganhar bonecas da Monster High e um encontro com a youtuber, no entanto a influenciadora não deixou claro que era uma campanha publicitária.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE.

Este caso motivou a abertura de um inquérito civil para investigar estas práticas e a promotoria perde que outros vídeos de outros influenciadores também sejam retirados do ar.

Empresas que fazem estas práticas no YouTube também foram notificadas.

O ministério ainda quer que a Google proíba a monetização deste conteúdo, na ação é possível ler  que “diversas crianças e adolescentes expostas a estratégias abusivas de venda ao não adequar suas políticas de uso”.

O promotor Eduardo Dias solicitou ainda à justiça para que a Google retire os videos do YouTube. As empresas que enviam produtos infantis para os influenciadores também foram notificadas sobre este tipo de práticas.

LEIA TAMBÉM   PewDiePie e T-Series estão em disputa acirrada pela liderança no YouTube