A Huawei é líder no mercado chinês e está apenas atrás da Samsung e da Apple no cenário global.
A Huawei é líder no mercado chinês e está apenas atrás da Samsung e da Apple no cenário global. (Foto: STAN SCHROEDER/MASHABLE)

Agora foi a vez da Huawei anunciar sua volta ao Brasil. Em entrevista para O Estado de S.Paulo, Ketrina Dunagan, vice-presidente sênior de marketing da Huawei no continente americano, falou sobre os planos da empresa no território brasileiro.

“Queremos trazer ao Brasil as tecnologias mais inovadoras que temos”, disse a executiva. Além de ser líder de mercado na China, a Huawei está apenas atrás da Samsung e da Apple no cenário global.

Sua principal concorrente na Ásia, a Xiaomi também anunciou, há algumas semanas, que está voltando a operar no Brasil. Até então, as duas gigantes da China não marcavam presença por aqui. Para comprar um smartphone de uma dessas fabricantes, o usuário tinha de recorrer à importação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE.

Vale lembrar que tanto a Huawei quanto a Xiaomi já tentaram entrar no mercado brasileiro alguns anos atrás, mas não tiveram sucesso. “O Brasil é um mercado complexo pela estrutura tarifária. Não dá para vencer aqui se você não tiver fabricação local”, afirmou Ketrina.

LEIA TAMBÉM   Em resposta à Huawei, Samsung deve anunciar smartphone dobrável antecipadamente

PROMOÇÃO: Huawei Honor 8X 4GB RAM por apenas R$ 855,77!

A empresa deve voltar com suas operações no Brasil a partir de maio. O escritório da Huawei, de onde tudo está sendo planejado, fica localizado no 32º andar do bairro Morumbi, em São Paulo.

De acordo com a executiva, os primeiros aparelhos que começarão a ser comercializados no Brasil serão importados. A Huawei, porém, tem pretensão de montar seus smartphones em território nacional até o fim deste ano.

Em primeiro lugar, a empresa deve trazer os produtos premium como parte de sua estratégia para se consolidar no território brasileiro.

Mas há grandes desafios pela frente. O mercado brasileiro é muito concentrado. Apenas em 2018, 78% dos celulares foram vendidos pela Samsung e Motorola.

Fonte: Estadão